Torção Testicular (cordão espermático que segura o testículo fica torcido)

A torção do testículo ocorre quando o cordão espermático que sustenta o testículo fica torcido, ocasionando a interrupção do fluxo de sangue que o alimenta, causando dor repentina, muitas vezes severa, e inchaço no local.

A Torção Testicular é Uma Emergência Médica Que Pode Causas Infertilidade, Conheça O Tratamento, Causas, Sintomas E Exames De Diagnóstico.

Caso não seja tratada, a situação pode provocar danos permanentes no testículo a longo prazo, uma vez que a perda prolongada de fluxo sanguíneo para o órgão podem levar à sua morte e à morte dos tecidos próximos.

Os testículos são órgãos ovais localizados no escroto. O escroto é a bolsa de pele localizada abaixo do pênis que os sustenta. São eles que produzem o sêmen, e as hormonas.

A torção testicular (Ver Imagem) geralmente ocorre em apenas um dos testículos, mas pode acontecer em ambos. O evento é mais frequente em crianças, mas também pode ocorrer em adultos.

Causas da torção testicular

Cada testículo está ligado ao cordão espermático e ao escroto. A torção do órgão acontece quando o testículo torce o cordão que liga o testículo ao abdômen.

Não existe uma causa clara e única para o evento. Por vezes ocorre devido a uma lesão desportiva, quando não existe proteção no local. Outras vezes acontece naturalmente!

No entanto, e dependendo da idade do paciente, a torção testicular pode ocorrer devido a vários fatores., que incluem:

Entre os adolescentes, o aumento do peso dos testículos e a contração súbita do músculo cremaster podem resultar no evento.

Entre os bebês recém-nascidos (Clique AQUI para ver a Imagem), a ocorrência manifesta-se como torção extravaginal, isto é, testículo do bebê, epidídimo e torção da túnica vaginal. Como resultado, o escroto incha e degenera. Outras causas e tipos (do problema) incluem:

1. Torção Intravaginal

Trata-se de um problema comum em crianças (especialmente adolescentes) com a deformidade no badalo de sino. Quando a membrana que forma a cobertura externa do testículo e do epidídimo (também chamada túnica vaginal) é alta, o cordão espermático gira, levando à deformidade em badalo de sino.

2. Torção Extravaginal

Como referido acima, a torção extravaginal é comum em crianças recém-nascidas. Quando a túnica vaginal não está presa ao gubernáculo, o cordão espermático torce-se.

O crescimento súbito dos testículos, uma pequena lesão nos testículos, atividades vigorosas e temperatura frias são algumas das causas que levam à torção do órgão.

Sinais e sintomas da torção testicular

Os principais sintomas são uma dor forte e súbita no testículo, que poderá ficar avermelhado e inchado. Poderá sentir o coração a bater mais rapidamente, ter suores, sentir-se enjoado e vomitar. Veja a lista completa de sintomas:

  • Dor intensa no testículo (sem motivo aparente)
  • Inchaço do escroto (geralmente de um lado)
  • Náusea e vômito
  • Tonturas
  • Sangue no sêmen
  • Caroço nos testículos
  • Febre
  • Dor ao urinar
  • Dor abdominal

Por vezes, os pacientes em estágio puberal ou pré-puberal têm vergonha de relatar a dor escrotal, ou confundi-la com uma dor no abdominal inferior. Por esse motivo, todas as crianças que se queixam de dor no baixo ventre (abdômen inferior), devem ser examinadas fisicamente para descartar a torção.

A melhor forma de diagnosticado nestes casos é através de ultrassonografia e Doppler, mas o diagnóstico não deve atrasar o tratamento.

Diagnóstico diferencial

O escroto agudo é definido como um inchaço doloroso súbito do escroto ou do seu conteúdo, acompanhado de sinais locais ou sintomas sistêmicos. 

Num paciente com escroto agudo, é imperativo descartar a torção testicular, que é uma verdadeira emergência cirúrgica.

É necessário um alto índice de suspeita por parte do médico; uma vez que as crianças, em particular, podem não conseguir descrever com precisão a gravidade e a duração dos sintomas.

O diagnóstico diferencial do escroto agudo é extremamente amplo, e a proporção de pacientes que apresentam cada uma das condições indicadas abaixo varia.

Embora a maioria dos pacientes não necessite de intervenção emergente, uma minoria significativa terá torção testicular, sendo crucial a sua identificação imediata e tratamento.

A maioria dos pacientes não apresenta avaliação imediatamente após o início dos sintomas, limitando ainda mais a janela terapêutica para o salvamento testicular. (R)

DIAGNÓSTICO PISTAS CLÍNICAS

Epididimorquite

Estrutura ou função geniturinária alterada

Doença viral recente

Ternura no testículo ou epidídimo

Distúrbios hematológicos

Valores laboratoriais anormais

Difusamente testículo duro (em leucemia ou linfoma)

História de distúrbios hematológicos

Edema escrotal idiopático

Não há sinais ou sintomas de infecção

Inchaço da pele escrotal sobrejacente

Infecção

Urinálise anormal

Anatomia geniturinária alterada

Sensibilidade epididimária ou testicular

Febre

Hérnia inguinal ou hidrocele

Flutuação do inchaço ou massa ao longo do dia ou com atividade

Massa da virilha

Torção do apêndice testículo ou apêndice epidídimo

Sinal de ponto azul Ternura sobre a cabeça do testículo ou epidídimo

Torção do cordão espermático

Falta ou diminuição do fluxo sanguíneo na ultrassonografia

Testículo de alta equitação

Náuseas, vômitos ou ambos

Torção palpável no cordão

Início súbito dos sintomas

Trauma

Equimoses

História de trauma ou mecanismo de lesão

Tumor

Marcadores tumorais elevados ou anormais

resultados de testes laboratoriais

Massa dura dentro do testículo

Sintomas sistêmicos (se metastático)

varicocele

Dor incômoda e dolorosa

Flutuação do inchaço ou dor ao longo do dia ou com atividade

Exame físico

A apresentação clássica da torção testicular é o início súbito de dor testicular unilateral grave associada a náuseas e vômitos.

Os pacientes também podem apresentar sintomas inespecíficos, como febre ou problemas urinários.

Embora não haja fatores precipitantes claros, muitos pacientes descrevem historial recente de trauma ou atividade física extenuante.

A pele escrotal ipsilateral nestes casos pode estar endurecida, eritematosa e quente, embora as mudanças na pele sobrejacente reflitam o grau de inflamação e possam mudar com o tempo.

O testículo afetado também pode apresentar uma orientação horizontal anormal. O reflexo cremastérico, provocado pela compressão da coxa medial, causa a elevação do testículo. A presença deste reflexo sugere, mas não confirma, a ausência de torção testicular.

A comparação dos lados afetados e não afetados pode também ajudar a delinear achados clínicos anormais, embora o edema escrotal e o desconforto do paciente possam limitar o exame físico.

Os pacientes nos quais os componentes do cordão espermático podem ser distintamente apreciados, e mostram muito pouco ou nenhum edema escrotal, e zero apresentam sintomas sistêmicos (particularmente com exame), provavelmente não terão torção testicular aguda.

Em casos de torção intermitente, os pacientes normalmente relatam episódios recorrentes de dor escrotal aguda unilateral.

Esta dor geralmente resolve-se espontaneamente em poucas horas. A torção crônica intermitente pode resultar em isquemia segmentar do testículo e justifica a avaliação urológica.

O apêndice testicular e o apêndice epidídimo são remanescentes embriológicos dos sistemas mulleriano e wolffiano, respectivamente.

Estas estruturas vestigiais podem ocorrer com infarto subsequente.

Clinicamente, a torção de um apêndice pode ser difícil de diferenciar da torção do cordão espermático no paciente com dor escrotal aguda; o início da dor pode ser similarmente abrupta, e podem estar presentes sintomas sistêmicos (embora menos comuns).

A apresentação clássica de um apêndice torcido é um sinal de ponto azul, onde o apêndice inflamado e isquêmico pode ser visualizado através da pele escrotal; o edema escrotal suprajacente e a tez do paciente podem limitar esse achado, diminuindo a sensibilidade.

Quando os pacientes com torção apendicular se apresentam precocemente, a sensibilidade focal no polo superior do epidídimo, próximo ao apêndice torsado, é frequentemente verificada.

Como a inflamação local ocorre, o desenvolvimento do edema local pode tornar o diagnóstico ainda mais desafiador.

Pacientes com resultados normais no exame, mas com sensibilidade significativa ao longo do epidídimo ou testículo, podem ter epididimorquite.

A epididimite é infecção no testículo rara em crianças pré-púberes, exceto na presença de anatomia geniturinária anormal ou infecção viral recente.

Em pacientes mais velhos, particularmente aqueles que são sexualmente ativos ou que passaram recentemente por um procedimento, as bactérias da bexiga ou da uretra podem infectar o epidídimo ou o testículo.

O historial médico e o exame físico, bem como o exame de urina, são úteis para confirmar ou excluir esse diagnóstico.

Exames de imagem

Em pacientes com historial e exame físico sugestivos de torção, os exames de imagem não devem ser realizados; em vez disso, esses indivíduos devem ser submetidos imediatamente à cirurgia.

O atraso associado à realização do exame de imagem pode prolongar o tempo de isquemia testicular, diminuindo assim as taxas de salvamento do testículo.

É preferível a exploração cirúrgica negativa a um diagnóstico perdido, uma vez que todos os estudos de imagem têm uma taxa de falso-negativo.

Os dados fornecidos pelo exame de imagem são secundários aos achados do exame, e a estratégia de tratamento deve ser baseada principalmente nos achados históricos e físicos.

Os homens com achados físicos fortemente sugestivos de torção testicular devem ser encaminhados para exploração cirúrgica, independentemente dos achados ultrassonográficos.

O exame de imagem geralmente mais utilizado é a ultrassonografia com Doppler, uma ferramenta diagnóstica pré-operatória altamente sensível (88,9%) e específica (98,8%), com taxa de 1% de falso-negativo. 

A ultrassonografia com Doppler avalia o tamanho, a forma, a ecogenicidade e a perfusão de ambos os testículos.

Imagem de Doppler colorido da torção testicular demonstra a diminuição relativa ou ausência de fluxo sanguíneo dentro do testículo afetado.

Se o fluxo sanguíneo estiver ausente na imagem do Doppler e consistente com a torção, é indicada exploração cirúrgica imediata.

A imagem por radionuclídeo também pode ser usada para avaliar o problema.

Esta técnica envolve a injeção de um isótopo por via intravenosa, seguida de imagens do fluxo sanguíneo do escroto.

O exame de isótopo testicular pode diferenciar a epididimite, que resulta em “pontos quentes” causados ​​pelo aumento da perfusão próximo ao testículo afetado pela torção testicular, que resulta em “pontos frios” causados ​​pela diminuição do fluxo sanguíneo para o testículo afetado.

No entanto, a disponibilidade, a velocidade e a falta de radiação fazem da ultrassonografia a modalidade de imagem de primeira linha.

Consequências sérias

Embora seja afetado apenas um testículo, a infertilidade e a deficiência hormonal são consequências comuns do atraso no tratamento.

Embora os casos de torção não sejam assim tão comuns (felizmente), o diagnóstico errôneo ou o atraso operatório muitas vezes resultam na perda do testículo, na deficiência hormonal e infertilidade.

As anormalidades anatômicas que predispõem à torção testicular são geralmente bilaterais e podem resultar em outras condições, como testículo não descido (Criptorquidia).

A criptorquidia, mesmo quando corrigida cirurgicamente de forma precoce, pode originar o mau funcionamento do testículo.

Prevenção e Cuidados a ter

No caso dos adultos, deve evitar-se que a torção testicular aconteça devido a uma lesão na prática do desporto. Para tal, utilize sempre uma proteção especial para atletas sempre que praticar desportos de contacto, como o muay thai (kickboxing) por exemplo. Estará assim a proteger os seus testículos.

Prevenção em Bebês e Crianças em idade pediátrica

Pouco pode ser feito para impedir a torção testicular, sendo na maioria dos casos um problema herdado / genético. Se um dos pais tiver torção testicular, a única forma de evitar o acontecimento será fixar o, ou os testículos na bolsa escrotal – orquidopexia

Tratamento da torção testicular

Este é um problema sério e deverá ser tratado com a maior brevidade. Deverá ser internado num hospital para lhe serem efetuados exames e ser submetido a tratamento.

Poderá ser necessário recorrer a uma cirurgia urgente para tentar recuperar o testículo. O médico poderá ver-se na necessidade de remover o testículo afetado.

O facto de possuir apenas um testículo não deverá afetar a sua capacidade em manter relações sexuais normais ou de ter filhos.

Se for sujeito a uma cirurgia, solicite ao médico a nota de tratamento relativa à orquidopexia ou à orquiectomia (orquidectomia).

Por vezes, o cordão espermático deixa de estar torcido por si próprio. Se tal acontecer, a dor desaparecerá, não sendo necessário recorrer a qualquer tipo de tratamento.

Tratamento Em Crianças

Normalmente é sugerida a intervenção cirúrgica imediata. O médico também pode prescrever analgésicos para controlar a dor, porque a torção testicular pode ser extremamente dolorosa em alguns casos. A cirurgia ajuda a salvar o testículo do paciente. Alguns tratamentos de destaque incluem:

A cirurgia dentro de 6 horas dos sintomas pode salvar o testículo. Durante a cirurgia, os médicos também corrigem o outro testículo. Isso porque o outro testículo também é propenso ao problema no futuro.

Os pacientes que recebem tratamento tardio podem ter problemas de fertilidade e, posteriormente, necessitar de uma orquiectomia (orquidectomia) – um procedimento realizado para remover os testículos e impedir que o corpo produza testosterona.

Por vezes tenta-se a distorcer o testículo de forma manual, mas raramente é bem sucedido, devido ao fato de que os pacientes sofrem dor aguda durante o tratamento. Em qualquer caso, a intervenção cirúrgica é o tratamento definitivo e não pode ser substituído pelo recurso manual.

Mesmo quando o tratamento manual é bem sucedido, o paciente é obrigado a submeter-se a tratamento cirúrgico antes de deixar o hospital, a única diferença é que a cirurgia é realizada de forma “urgente” e não como uma emergência.

Os pacientes operados dentro das 6 horas após is primeiros sintomas têm apenas 5% de chance de necessitar da orquiectomia. Esse risco aumenta para cerca de 90% após 48 horas do sintoma.

O tratamento também varia de acordo com a idade.

Por exemplo, a cirurgia é controversa quando realizada em crianças recém-nascidas. Uma criança nascida com torção testicular pode arriscar a sua vida devido aos efeitos da anestesia. Este é o argumento geral.

Mas, dado os avanços na anestesia pediátrica, alguns médicos argumentam que o procedimento podem salvar todas ou algumas partes do testículo e até mesmo prevenir a sua ocorrência no futuro.

Os adultos diagnosticados com torção testicular devem ser imediatamente operados, independentemente do número de horas desde o início dos sintomas.

Aos pacientes que têm um testículo não viável podem ser sugeridas próteses testiculares ou implantar um testículo artificial. Este procedimento é feito após seis meses ou até que o escroto esteja completamente curado.

Nos casos de torção testicular perinatal (período pré-natal ou nos primeiros 30 dias de vida), embora a taxa de recuperação testicular seja muito baixa, o lado afetado deve ser sempre explorado para confirmar o diagnóstico e corrigir ou remover o testículo afetado. O escroto contralateral também deve ser explorado devido ao risco de torção testicular contralateral assíncrona.

Cirurgia

A cirurgia para o reparo da torção do testículo é um procedimento realizado para distorcer o cordão espermático. Na maioria das vezes o paciente recebe anestesia geral antes da cirurgia.

Para executar o procedimento, o cirurgião fará um corte no escroto para chegar ao cordão torcido. O cordão de seguida é desembaraçado e o testículo será anexado ao interior do escroto com o uso de pontos. O outro testículo será anexado da mesma forma, para evitar problemas futuros.

Porque é realizada a cirurgia?

A torção no testículo é uma emergência! Na maioria dos casos, a cirurgia é necessária imediatamente para aliviar a dor, o inchaço e evitar a perda do testículo.

Para melhores resultados, a cirurgia deve ser realizada 4 horas após o início dos sintomas. Após 12 horas, o testículo pode ficar tão danificado que deva ser removido.

Riscos da cirurgia

Os riscos da cirurgia incluem:

  • Sangramento
  • Infecção
  • Dor
  • Perda do testículo apesar do retorno do fluxo sanguíneo
  • Infertilidade

Antes do procedimento

Na maioria dos casos a cirurgia é realizada de emergência, havendo pouco tempo para fazer exames médicos antecipadamente. Os exames mais frequentes nestes casos são o ultra-som, um exame de imagem que ajuda a verificar o fluxo sanguíneo e a morte dos tecidos.

Na maioria dos casos, o paciente recebe remédios para a dor e é enviado a um urologista para a cirurgia o mais rápido possível.

Após o procedimento

Após a cirurgia:

Os remédios para a dor, o repouso e as compressas de gelo aliviam a dor e o inchaço após a cirurgia. Não coloque o gelo diretamente na pele. Enrole-o a uma toalha ou pano.

O paciente deve descansar em casa durante vários dias, podendo usar um suporte / suspensório escrotal durante uma semana após a cirurgia.

Deve evitar atividades extenuantes durante 1 a 2 semanas, e começar lentamente a fazer as suas atividades normais.

Pode retomar a atividade sexual após cerca de 4 a 6 semanas.

Prognóstico

Se feita a tempo, a cirurgia leva à recuperação completa do testículo. Quando realizada dentro de 12 horas após o início dos sintomas, o testículo pode ser salvo na maioria das vezes.

Se algum dos testículos tiver que ser removido, o testículo saudável restante, em princípio fornecerá os hormônios suficientes para o crescimento masculino normal, vida sexual e fertilidade.

O seu filho sofreu de torção testicular? Como os médicos diagnosticaram e trataram o problema? Você tem alguma dica especial para outras mães? Conte-nos deixando o seu comentário abaixo.