12 Tratamentos Caseiros para Dermatite Atópica: mingau de farinha de aveia

Revisado por Drª Raquel Pires (Nutricionista - CRN-6 nº 23653) a 19 novembro 2018

Existe um tratamento caseiro maravilhoso para dermatite atópica que me tem proporcionado resultados bastante satisfatórios no combate a este eczema endógeno.

Foto de Dermatide Atópica

Eu tenho dermatite atópica e o que me ajudou a controlar a doença foi fazer um simples remédio caseiro, passar um mingau de farinha de aveia na pele do rosto 🙂 .

Como fazer: Uso 1/2 copo de água mineral e 1 colher de sopa de farinha de aveia. Levo ao fogo para engrossar um pouquinho. Passo na peneira e uso apenas o líquido.

aveia

Deixo mais ou menos uma hora no rosto. Lavo apenas com água e passo um creme próprio para dermatite. Uso atualmente o creme Eucerin AtopiControl, que existe á venda no brasil e em Portugal. Comprei na internet.

Também deixei de usar o sabonete para lavar o rosto e estou usando apenas mel puro. Passo o mel no rosto e esfrego como se fosse sabonete e enxaguo com água.

Espero que tenham bons resultados como eu tive.

Seguem outros remédios caseiros, baseados em alguns estudos científicos publicados:

Óleo de Prímula (Oenothera biennis)

Acalme a pele irritada com o óleo de prímula. A erva contêm uma das melhores substâncias para restaurar e manter a pele sempre saudável.

Óleo De Onagra Prímula Oenothera Biennis

As pessoas com dermatite atópica, podem encontrar alívio dos sintomas através de uma fonte vegetal surpreendente: a prímula (Oenothera biennis), também conhecida como canárias, erva-dos-burros, onagra ou zécora. (1)

O fitoquímico ativo presente no óleo de prímula, o ácido gama-linolênico (GLA), é uma das substâncias mais conhecidas e usadas para restaurar e manter uma pele saudável.

O ácido gama-linolênico é um lipídio de armazenamento, que armazena a energia do alimento para a semente da prímula a consumir enquanto brota (produz os seus rebentos).

No que diz respeito ao corpo humano, o ácido gama-linolênico é um ácido graxo poliinsaturado. Os ácidos graxos poliinsaturados devem ser consumidos através da dieta, pois não podem ser produzidos naturalmente pelo corpo.

Quais as plantas que contêm ácido gama-linolênico (GLA)? A maioria das plantas não contêm níveis significativos de GLA, tornando assim o óleo da semente de Prímula um recurso natural extremamente valioso.

Embora o teor de ácido gama-linolênico presente no óleo de prímula seja apenas cerca de metade daquele presente na semente de borragem (Borago officinalis), na groselha preta (Ribes nigrum), e em outros diversos óleos fúngicos, considera-se mesmo assim uma fonte superior de GLA para utilização farmacológica, uma vez que é mais biodisponível, ou seja, o corpo parece processar e beneficiar-se dele mais facilmente do que através de outras fontes, uma vez que é metabolizado mais facilmente pelo organismo.

Inverter a deficiência

A deficiência de ácidos graxos poliinsaturados na dieta pode causar dermatite escamosa e lesões na pele. Os sintomas de pele avermelhada, coceira, e pele escamosa, suportam alguma semelhança com o eczema atópico. Atópica significa que o eczema é provocado, no todo ou em parte, por uma condição alérgica de base genética.

As Pesquisas realizadas indicam que este tipo de eczema é provavelmente causado pela diminuição da capacidade do corpo em converter os ácidos linoleicos para os seus derivados, tais como os ácidos graxos poliinsaturados, sendo que a aplicação de apenas 2 a 6 gr de óleo de prímula, trará um melhoramento clínico significativo para a pele do paciente.

Aplicação tópica de Vitamina B12 (Cobalamina)

O creme de vitamina B12 provou ser eficaz na redução da extensão e severidade do eczema, e deve ser considerada como uma opção de tratamento em crianças com eczema, diz estudo. (2)

Óleos de Peixe

A suplementação com ácidos gordos ómega-3 durante a gravidez pode diminuir o risco de alergia alimentar e eczema devido a valores elevados de IgE sérica no sangue (Imunoglobulina E ), durante o primeiro ano de vida em lactentes com história familiar de doença alérgica. (3)

As fontes mais ricas em omega-3 são os peixes gordos, particularmente a cavala, arenque, salmão, atum fresco, sardinha e truta. Também é encontrada em nozes e avelãs.

As recomendações Oficiais sugerem a ingestão de duas porções de peixe por semana, uma das quais deve ser com peixes gordos.

Aveia Coloidal

A aveia coloidal tem uma longa história de usos benéficos na dermatologia. É um produto natural com uma ficha de segurança excelente e eficácia no tratamento da dermatite atópica, psoríase, prurido induzido por drogas e outras condições.

As avenantramidas (amidas de ácido antranílico), um componente presente principalmente no grão de aveia-comum (Avena sativa), são as responsáveis ​​por muitos destes efeitos benéficos.

Estudos demonstram que este grupo de fenólicos alcalóides pode inibir a atividade do factor nuclear kapaB e da libertação de citocinas pró-inflamatórias e histamina, os principais mecanismos conhecidos na fisiopatologia das dermatoses inflamatórias. (4)

As avenantramidas oferecem também atividade antioxidante, anti-prurido, anti-irritante, e antiaterogênicas.

Tornando-se assim um componente natural bastante importante no tratamento da dermatite atópica e outras condições, permitindo a redução do uso de corticosteróides e inibidores da calcineurina.

Óleo de borragem

óleo De Sementes De Borragem

O óleo de borragem é rico em ácidos gordos GLA (ácido gama-linolénico). É extraído da planta de Nome científico: Borago officinalis, também conhecida como borracha-chimarrona ou foligem. (5)

Tome uma cápsula de óleo de borragem após o pequeno almoço e outra antes de dormir. Dentro de poucos meses o eczema vai desaparecer completamente e tornar-se um aborrecimento menor.

Creme de Erva-de-são-joão, Hipérico ou Hipericão

Erva De São João, Hipérico Ou HipericãoA Erva de São João (Hypericum perforatum) pode ser usada como tratamento natural para a dermatite atópica na forma de creme.

Um estudo clínico demonstrou que a planta quando aplicada topicamente em pacientes com dermatite ligeira a moderada, oferece propriedades anti-inflamatórias e alivia o desconforto.

No estudo, foi usado um creme à base de Hypericum perforatum e aplicado duas vezes por dia durante 4 semanas, tendo como resultado a redução da intensidade das lesões, bem como o aparecimento de bactérias Staphylococcus aureus sobre a pele afetada. (6)

Na maioria dos casos, a erva de São João é tomada por via oral e pouco se sabe sobre os potenciais perigos em usá-la diretamente sobre a pele. Devendo o seu uso ser sempre com a supervisão de um profissional de saúde.

Vitamina E

Um estudo realizado em 2015 sugere que a vitamina E pode melhorar os sintomas e a qualidade de vida em pacientes com dermatite atópica, não tendo quaisquer efeitos secundários em doses de 400 UI/dia. (7)

Vitamina D

A vitamina D é uma parte importante do nosso sistema imunitário. Alguns estudos descobriram que as pessoas com dermatite são mais propensas a ter níveis deficientes de vitamina D, que contribuem para agravar os sintomas de inflamação na pele.

A vitamina D reduz os níveis de proteínas chamadas “citocinas inflamatórias”, e aumenta a quantidade de proteínas antimicrobianas na pele, que ajudam a destruir os germes invasores e vírus.

Esta combinação de reduzir a inflamação e aumentar as defesas antimicrobianas, ajuda o sistema imunológico a combater melhor as infecções, fortalecendo as barreiras de proteção da pele. (8)

Cheonggukjang 

Cheonggukjang, Pasta De Soja Fermentada Coreana

O Cheonggukjang é uma pasta de soja fermentada utilizada na cozinha Coreana, com muitos benefícios para a saúde.

Pesquisadores Coreanos afirmam que o Cheonggukjang ajuda a prevenir doenças, fortalecer o sistema imunológico, e inibir reacções alérgicas como a dermatite atópica.

O ácido gama-poliglutâmico presente neste alimento funcional, ativa as células T, que atacam e removem as células que provocam alergias, suprimindo o desenvolvimento de basófilos. (9)

Kimchi

Kimchi, Prato Vegetal Fermentado Tradicional Da Coreia

Investigadores Coreanos descobriram que as bactérias Weissella cibaria WIKIM28, presentes no ácido lático do Kimchi, um prato vegetal fermentado tradicional da Coreia, são potencialmente eficazes no tratamento de doenças inflamatórias crônicas da pele, atuando na redução dos sintomas de inflamação da pele. (10)

Nigela (cominho preto)

óleo De Semente Do Cominho Preto (Nigella Sativa)

O óleo da semente do cominho preto (Nigella sativa) tem propriedades emolientes excelentes, que formam um filme não-gorduroso e fornecem os nutrientes essenciais para a nossa pele.

Um ensaio clínico publicado em 2013, comparou os efeitos benéficos do óleo das sementes de sativa Nigella com os cremes esteróides convencionais (Betametasona) usados no tratamento da dermatite das mãos.

Ambos mostraram ser igualmente eficazes na redução dos sintomas. No entanto, a vantagem clara do óleo da semente do cominho preto sobre o uso de esteróides é sua falta de efeitos secundários. (11)

Óleo de Semente de groselha negra

Conheça O Efeito Do Óleo De Semente De Groselha Negra No Eczema Atópico

A nossa pele precisa de gorduras (omega-6 e omega-3) para manter as suas funções vitais, e é extremamente importante para a barreira protetora da pele. São essas gorduras que fixam as células da pele ao estrato córneo, a camada mais externa da epiderme.

No entanto, é importante conhecer as diferenças entre o ácido linoleico (ômega-6) e o ácido alfa-linolénico (ômega-3), uma vez que têm papéis distintos na nossa pele e saúde em geral.

Embora o ácido linoleico desempenhe um papel fundamental na estrutura e função da barreira de permeabilidade do estrato córneo, que é muitas vezes deficiente, quando somos portadores de dermatite atópica, o ácido alfa-linolénico é importante para o sistema imunitário, funcionando como um modulador imunológico.

O óleo de semente de groselha preta (Ribes nigrum) é um óleo vegetal extraordinário. É rico em GLA (ômega-6), ômega-3 de fácil absorção e antioxidantes (vitamina E).

O Óleo das sementes da groselha negra é único, na medida em que naturalmente contém a proporção ideal de ómega-3 e ómega-6 (1:3,8).2 , alimentando a pele, ao mesmo tempo que a humedece e renova, recuperando os níveis de elasticidade e hidratação.

Um estudo publicado em 2010 conclui que a suplementação dietética com o óleo de semente de groselha negra é bem tolerada e reduz a prevalência de dermatite atópica, podendo ser uma ferramenta de valor na prevenção de sintomas atópicos, quando utilizada numa fase precoce da vida, como no caso dos recém-nascidos. (12)

Outras Sugestões

Elimine o leite e todos os produtos de vaca da sua dieta, bem como alimentos que contêm óleos vegetais parcialmente hidrogenados (frequentemente encontrados em salgadinhos e assados) e ácidos gordos trans (margarina, gordura vegetal).

Tome 500 miligramas de óleo de groselha preta ou óleo de prímula duas vezes por dia (metade da dose para crianças menores de 12). Estes, tal como já referido acima, são fontes naturais de Ácido gamalinolênico (GLA), um ácido gordo omega-6 essencial que promove o crescimento saudável da pele, cabelo e unhas. Normalmente começam a notar-se mudanças positivas em seis a oito semanas.

Aplique cremes de calêndula, ou gel de aloe vera (a partir de uma planta fresca (de preferência) ou compre loções ou cremes hidratantes que contenham aloe), às áreas afetadas dos braços.

Experimente loções e pomadas que contenham a planta chaparral (Larrea Divaricata) na sua composição, uma planta do deserto usada topicamente na medicina popular mexicana para condições de pele.

A hipnoterapia também pode ter um impacto positivo bastante significativo sobre as condições de pele relacionadas com alergias.

E tente relaxar – o estresse pode fazer piorar a condição. Explore técnicas de relaxamento, como exercícios de respiração e yoga.

Além disso, certifique-se de tomar banhos rápidos e usar sabonetes hidratantes não perfumados.