Tunisia

Revisado por Equipe Editorial a 13 janeiro 2018

Tunísia é um lugar mágico que desperta os nossos sentidos para as cores, os odores, os sons e os sabores.

A Tunísia entrou na história através da lenda da Rainha Dido, que ali terá fundado Cartago e que se terá apaixonado por Eneias, herói da Guerra de Tróia. Cartago foi um dos dois protagonistas das Guerras Púnicas que a opuseram a Roma. De lá partiu Aníbal à frente de homens e elefantes. Mas Cartago seria, mais tarde, cercada, incendiada? e amaldiçoada. Mas nem por isso o fim do país estava próximo.

Perto do local onde outrora se ergueu Cartago, levantou-se a cidade de Tunes e, depois dos romanos, foi a vez de por lá passarem vândalos, bizantinos, árabes, turcos, espanhóis e franceses. Assim, a Tunísia tornou-se um caldo cultural mediterrânico-africano-muçulmano. Um local que desperta os nossos sentidos para as cores, os odores, os sons e os sabores.

É um pouco deste país que lhe propomos conhecer. Os brancos e azuis das suas casas e janelas; o verde e o ocre das paisagens do Grande Sul; as suas gentes, de vestes coloridas, mulheres de rosto velado e tatuagens enigmáticas, homens de djelaba e turbante… Este é apenas um pouco deste país chamado Tunisia, que lhe propomos conhecer.

Conheça Tunes, a capital onde as sombras do passado se misturam com as luzes do presente. Visite Sidi-Bou-Said, uma cidadezinha cheia de charme, toda em azul e branco. Descanse nas estâncias balneares como Hammamet, Souse ou Monastir. Ou vá até mais a Sul, à ilha de Djerba, famosa desde que Ulisses por ela se encantou.

Não deixe, ainda, de passar por Kairouan, uma das cidades santas muçulmanas e conhecer Matmata, para descobrir uma arquitectura única no mundo: as habitações dos Trogloditas.

Viajar para a Tunísia “Miragem Africana aqui tão perto!” por Carlos Pereira

Destino: Tunísia
Na mala, apenas óculos de sol e roupa leve. Nas compras, artesanato popular, “flor do deserto, Sorte”, couros, tapetes, barro, corais, cobres, jóias, beberes, etc – o regateio é obrigatório nos “souk” e nas “”medinas”. Os preços são muito acessíveis.

Torre da Grande Mesquita de Kairouan, Também conhecida como a Mesquita de Uqba . Fundada em 670, é a mesquita mais antiga da Tunísia.

Guia de Viagem

Itinerário:
A opção de percurso, foi o circuito dos oásis. durante uma semana. Foi um misto de “Cultura e história”, “Sol, Mar e Diversão”. Foram 1800 km feitos num belíssimo autopullman com o indispensável ar condicionado.

Tunis, Capital da Tunísia; Comércio; Medinas; Museu Bardo). Hammamet, Zona de belíssimas praias, jardins de jasmins e laranjeiras.
Sousse, uma cidade marítima, com um clima excepcionalmente suave; muita história e arqueologia; e os “souks”!…).
Monastir, Fortaleza Mosteiro Ribat e Mausoléu de Habib Bourghiba; porto desportivo e luxuosos complexos hoteleiros.
El Jem, o Coliseu romano do ano 238 D.C., onde se realizam, anualmente, concertos internacionais de música.
Ilha de Djerba, a lenda de Ulisses; cidade da cerâmica e das mesquitas, cerca de 100.
Golfo de Gabes, (Oásis).
Matmata, aldeia berbere, casas trogloditas, com aspecto lunar…
Douz, um entreposto de caravanas de camelos.
Tozeur, um magnifico Oásis – capital das palmeiras; jardim zoológico; parque de animação – contos ilustrados com figuras das 1001 noites-).

Souks

Os souks são uma rede de ruas repletas de lojas com comerciantes e artesãos ordenados por especialidade. Nos Souks encontram-se comerciantes de roupas, perfumes, vendedores de frutas, livreiros e mercadores de lã, enquanto que as peixarias, os ferreiros e oleiros tendem a ser relegados para a periferia dos mercados.

Kebili, é uma cidade no deserto central da Tunísia, localizado a sul da Chott el-Jerid. É a capital do Kebili Governorate. Kebili ou na ortografia correta Gibili é um dos mais antigos Oasis da Tunísia e Norte de África. Kebili detém as primeiras provas irrefutáveis de habitação humana na Tunísia (Encontradas perto da cidade ).

Nefta, ou Nafta é uma cidade e oásis da Tunísia, Perto da fronteira Argelina, logo a norte da Schott Plain Salt Dscherid. Nafta é considerada pela maioria dos Sufis o lar espiritual do Sufismo. Muitos edifícios religiosos estão localizados no bairro El Bayadha. Nefta é um centro de peregrinação para peregrinos que viajam ao longo de todo o ano. Há um Festival Folk em abril e um em Novembro/Dezembro. Nefta é o centro religioso do Bled el Jerid, A “Terra das Palmeiras “, com mais de 24 mesquitas e 100 marabus. Os marabus ainda atraem peregrinos de todo o sul da Tunísia e até da Argélia. Esta grande veneração dos marabus reflete o vigor contínuo do Sufismo, um movimento que surgiu no século 12 em torno de Sufi Abu Madian ( d.1197) .

Kairouan, a Cidade Santa, preenchida por mesquitas; famosa como herdeira dos costumes ancestrais, reflectidos nos tapetes extraordinários.
Carthage, antiga capital púnica onde existem varias escavações arqueológicas das épocas púnica e romana, Património Mundial da Unesco. Carthage dispõe de um dos aeroportos mais movimentados da Tunísia.
Sidi Dou Said, uma povoação pitoresca, com as pequenas casas pintadas de branco e azul; o famoso “Café des Nattes”, onde é servido um delicioso chá de menta com pinhões; vista panorâmica sobre a baía de Cartago).

Curiosidades
A mentalidade sadia de um povo, que vive num País maravilhoso, deve muito a um “Homem” – o prestigiado ex Presidente HABIB BOURGHIBA , instituiu e deixou a herança, que se mantém: 35% do orçamento do Estado destinado à Educação -gratuita – e uma rede de Centros de Saúde, com cobertura Nacional. A moeda utilizada é o Dinar tunisino, que vale cerca de 0,80 euros, os cartões de crédito são aceites sem restrições, sendo fácil efectuar câmbios. Sempre no máximo (até no Deserto), o sinal do telemóvel!

O que mais gostei desta minha viagem á Tunísia
O acolhimento e a simpatia generalizada de toda a população, concretizada na competência do guia (a falar fluente e correctamente Português) e do motorista. A noite passada no Hotel troglodita, a visita aos palmeirais -750 mil palmeiras juntas!-, o mini-safari (com as emoções ao rubro: subir e descer as dunas, com 50°), o inolvidável “Pôr do Sol” no deserto, as visitas às mesquitas (vestidos com as famosas “burkas”), os indescritíveis “Oásis” e a cavalgada em camelo (verdadeiro) pelo deserto, vestido “a rigor”!

A visita a uma casa troglodita, ainda habitada por uma família…! Para o 2° maior exportador mundial de azeite, não são despercebidas as oliveiras espalhadas pelas planícies de todo o País, sempre bem tratadas e limpas. A flor do jasmim, as famosas e deliciosas tâmaras e respectivo licor e o chá de menta são um ex-libris difícil de esquecer. Como comida, o prato nacional é o “cuscus” (estilo do nosso cozido á Portuguesa), e a maioria dos pratos são confeccionados com ervas aromáticas.

Como chegar á Tunisia
Em voo directo de Lisboa, através da Companhia Nacional “TUNISAIR”, chega-se à Capital, TUNIS, em menos de 3 horas. Há voos regulares, duas vezes por semana, com partidas de Lisboa e Porto. Existem várias companhias aéreas a efectuar voos com este destino, e existem diversos aeroportos. O ideal, para esta visita, é a tradicional excursão organizada de grupo, tendo como transporte, no território, um autopulman com o indispensável ar condicionado. Neste percurso de 1800 Kilometros, nada de melhor!

Onde ficar alojado
Em fiquei em diversos Hotéis, espalhados por todo o País, onde também a comida (com óptimos buffet’s) e o pessoal corresponde plenamente ao esperado, satisfazendo plenamente as exigências de acordo com os padrões turísticos europeus, sem qualquer decepção.

Quando viajar para a Tunisia
Em Julho e Agosto, os 30 graus são ideais para descanso de mar e praia, práticas desportivas, golfe, centros de talassoterapia e os festivais internacionais de música sinfónica, jazz, etc. Em Janeiro e Fevereiro, o tempo é mais ameno, cerca de 13º.