Ultrassom no Tratamento da Celulite e Gordura Localizada

Revisado por Reinaldo Rodrigues (Enfermeiro - Coren nº 491692) a 12 dezembro 2018

Ultrassom no Tratamento da Celulite e Gordura Localizada.

Ultra-som no tratamento da celulite antes e depois

Há algumas décadas atrás, o ultrassom começou a ser utilizado pela medicina, com o intuito de facilitar os diagnósticos, devido à sua potencialidade na captação de imagens dos órgãos internos do corpo. Mais recentemente, a dermatologia requisitou os contributos dos ultra-sons e pô-los ao serviço da estética no tratamento da celulite e da gordura localizada.

Os ultra-sons são ondas sonoras que os humanos não conseguem ouvir, mas que podem desempenhar um papel importante na melhoria do nosso estilo de vida. Enquanto que para a captação de imagem, os ultra-sons precisam de penetrar mais profundamente na pele, para efeitos estéticos, a profundidade de penetração dos ultra sons fica-se pelos 1,5cm e os 3 cm.

As ondas são transportadas até às células adiposas, normalmente através de um transdutor que vai sendo constantemente deslizado pela zona a tratar, com o objectivo de distribuir as ondas de forma uniforme e eficaz. Por sua vez, os ultra-sons transmitem energia, energia essa que não só aquece ligeiramente a zona, mas também provoca uma agitação que resulta no rompimento dos adipócitos e no escoamento da gordura. Posteriormente, a gordura libertada é encaminhada para as vias linfáticas e para o fígado que por sua vez se “livrarão” dela.

Trata-se de um processo indolor e seguro que não requer cuidados extra e não implica tempo de recuperação, podendo o paciente fazer a sua vida normalmente após cada sessão. Por isso mesmo, o tratamento para a celulite e gordura localizada através da ultra-sonografia tem sido chamado de lipoaspiração não invasiva, devido à sua alta eficácia que contudo não é evasiva.

Para além da sua utilidade no tratamento da celulite, mais conhecida como pele “casca de laranja” e da gordura localizada, a utilização estética dos ultra-sons também se revela benéfica noutras áreas. Os ultra-sons tonificam a pele, ajudam nas cirurgias plásticas e no tratamento de cicatrizes e acne, e melhoram a circulação sanguínea.

Esta prática praticamente não comporta qualquer contra indicações ou efeitos colaterais, mas deverá informar o seu terapeuta caso esteja grávida, possua problemas renais, problemas de pele ou tenha implantes electromagnéticos, tais como o pacemaker.

Para a obtenção de resultados mais efectivos, pode combinar-se o uso de ultra-sons com outros procedimentos estéticos, tais como a drenagem linfática e a electrolipólise. Em geral, a utilização exclusiva dos ultra-sons demora entre 10 a 20 minutos, variando de acordo com diferentes factores, tais como a extensão da área a tratar. Obviamente, quando há uma conjugação entre a ultra-sonografia e outras técnicas, o tempo do tratamento aumentará, podendo passar dos 60 minutos. Em média, o paciente perde cerca de 2 cm por sessão e o número de sessões varia conforme cada caso.

Actualmente, existem no mercado vários aparelhos que empregam a tecnologia dos ultra-sons no tratamento da celulite e da gordura localizada. O primeiro a ser conhecido dá pelo nome de ultrashape, enquanto que um dos últimos a ser introduzido no mercado português é o ultracontour.

A principal diferença entre estes dois aparelhos reside na profundidade de penetração das ondas ultra-sónicas, sendo que o primeiro atinge uma profundidade de 3 cm, enquanto que o último limita-se a 1,5 cm de profundidade. Esta variação não é sinónimo de eficiência, mas sim de segurança.

Apesar de ambos serem considerados seguros, o Ultracontour parece oferecer uma maior segurança porque atinge uma profundidade menor, o que por sua vez, permite a utilização desta técnica de forma mais frequente e logicamente com resultados mais rápidos.