Vaporização vaginal: Tudo que você precisa saber

A vagina é um órgão impressionante! Ela está preparada para lidar com o ciclo menstrual, suportar o impacto causado durante a relação, expandir o suficiente para o feto nascer –  ela resiste a muito de fato! No entanto, existem alguns problemas do assoalho pélvico e hormonais, que podem originar situações desconfortáveis.

A vaporização vaginal é um remédio natural usado desde os tempos antigos para limpar a vagina, o útero, regular a menstruação, e aliviar cólicas menstruais e o inchaço.

No entanto, será que, além de oferecer um calor suave aos genitais, o tratamento funciona mesmo? É seguro para a vagina? Saiba mais.

Mulher Fazendo Vaporização Vaginal

Como funciona?

A vaporização vaginal é uma terapia natural que direciona o vapor infundido em ervas medicinais para a vagina. Existem alguns spas que oferecem o tratamento, que geralmente dura entre 20 e 45 minutos, mas, pode perfeitamente ser realizado casa, embora a maioria dos ginecologistas não o recomende.

O processo é bem simples! Basta sentar ou agachar-se sobre um recipiente com vapor infundido em ervas. As plantas geralmente usadas incluem:

  • artemísia;
  • absinto;
  • alecrim;
  • camomila;
  • calêndula;
  • manjericão;
  • orégano.

De seguida mostramos como fazer um banho de vapor vaginal em casa, passo a passo. No entanto, antes de o realizar, conheça os seus supostos benefícios e possíveis problemas de segurança, indicados mais abaixo.

Passo a passo

Adicione cerca de um copo, com as ervas escolhidas, a uma bacia de água quente.

Deixe-as em infusão por pelo menos um minuto.

Retire as roupas da cintura para baixo.

Fique de pé ou agache-se diretamente sobre a bacia. Algumas mulheres preferem colocar a bacia no vaso sanitário e sentarem-se sobre ele, tal como um banho de assento. No entanto, ao contrário do banho de assento, aqui apenas necessitamos do vapor.

Enrole uma toalha em volta da cintura para evitar que o vapor escape.

Uma sessão média dura entre 20 e 60 minutos. Dependendo de quão quente estiver a água, o vapor pode arrefecer mais cedo.

Quais são os benefícios pretendidos?

A vaporização vaginal é usada como tratamento natural para limpar da vagina, útero e todo o sistema reprodutivo feminino. Mas os possíveis benefícios não ficam por aí. Supostamente também alivia:

  • estresse;
  • depressão;
  • hemorroidas;
  • infecções;
  • infertilidade;
  • desequilíbrios hormonais,
  • dores de cabeça;
  • fadiga;
  • problemas digestivos;
  • dor generalizada.

O que dizem os estudos?

Não existem evidências científicas que suportem o banho de vapor vaginal como uma ajuda no tratamento qualquer condição de saúde.

Na medicina tradicional chinesa, temos como exemplo a moxabustão, onde é queimada a artemísia, sobre uma área problemática do corpo ou ponto de pressão. Ela é usada como terapia alternativa para tratar uma série de problemas do sistema reprodutivo. No entanto, algumas pesquisas indicam que, exceto para corrigir a apresentação pélvica durante a gravidez, as pesquisas sobre a artemísia são contraditórias e inconclusivas, pois não existe nenhuma pesquisa indicando que o moxabustão faz bem á vagina.

De acordo com o Dr. Manny Alvarez, presidente do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia e Ciência Reprodutiva do Centro Médico da Universidade de Hackensack, a vaporização vaginal apenas pode ajudar a mulher a relaxar. “Existe pouca possibilidade do vapor penetrar os tecidos vaginais, e muito menos regular os hormônios ou melhorar a fertilidade”.

Um dos poucos benefícios poderá ser talvez o aumento do fluxo sanguíneo na região genital, proporcionado pelo calor úmido do vapor, embora também não esteja comprovado.

É seguro?

Não existem pesquisas científicas que mostrem a segurança do procedimento. Mas uma coisa é certa! A vagina não deve ser lavada a vapor! Entenda que, a vagina superaquecida fornece o clima perfeito para bactérias que causam a maioria das infecções fúngicas e outras infecções vaginais.

A pele vaginal é um tecido extremamente delicado, sensível e facilmente traumatizado. Usar este método como prática regular pode levar ao desenvolvimento de queimaduras na vagina.

Não existem diretrizes médicas aceites para realizar o tratamento. E tal como acontece com a maioria dos remédios caseiros, as pesquisas na internet sobre “como fazer um banho de vapor vaginal com ervas” fornecem muitas informações contraditórias.

Além disso, não se sabe ao certo como o tratamento pode afetar a mulher ou o bebê no caso de estar grávida. Algumas ervas podem até mesmo causar aborto espontâneo, sendo uma terapia totalmente contraindicada durante a gravidez.

A Vaporização Vaginal Não é Apoiada Pela Ciência Médica, Estando Até Contra Indicada Uma Vez Que Incentiva O Crescimento De Bactérias Ruins Na Vagina

Conclusão

A vagina é uma máquina de auto-limpeza que não precisa de ajuda de uma sessão de vapor de ervas. É bem possível que a vaporização vaginal leve ao relaxamento e alivio de cãibras, tal como uma simples compressa de aquecimento, no entanto, evidências de que ela limpa a vagina ou o útero, melhora a fertilidade, e equilibra os hormônios – é apenas crença popular.

Antes pelo contrário! Tal como já referido, a vaporização vaginal pode até mesmo aumentar o risco de infecção vaginal, alterando o ecossistema das bactérias presentes na vagina. O que não quer dizer que algumas ervas não possam melhorar a saúde reprodutiva, mas não desta forma!

As ervas, por serem naturais, não significa que não contenham substâncias fortes. Quando usadas de forma tópica, elas podem causar várias reações alérgicas.

Existem alternativas bem mais seguras de usar “calor e ervas” ao mesmo tempo, para o alívio da menstruação. Tente usar um saco de água quente na região pélvica, ao mesmo tempo que bebe uma maravilhosa xícara de chá de ervas!