Vizela

Revisado por Equipe Editorial a 13 janeiro 2018

Aproveite o próximo fim de semana para tratar de si, do seu corpo e da sua mente, nas Caldas de Vizela. Desde a arte rupestre aos castros, passando pelas influências pagãs e pelo cristianismo, até ao delicioso bolinhol, Vizela tem muito a oferecer-lhe!

ONDE FICA LOCALIZADA VIZELA

A cidade de Vizela é o principal pólo da chamada região do vale do Vizela que abrange uma área territorial com cerca de 66 quilómetros quadrados. Situa-se na convergência das províncias do Minho e do Douro Litoral, e faz parte do concelho que é composto pelas freguesias de Conde, Inflas, Lustosa, Moreira, Penacova, Regilde, Revinhade, Santa Eulália, Santo Adrião, Santo Estevão, São Faustino, São João, São Miguel, São Jorge, São Paio, Tagilde, Vila Fria e Vilarinho.

BELEZA NATURAL

Apesar de algumas das freguesias terem uma expressão marcadamente rural, Vizela é uma cidade da província desenvolvida, com uma malha urbana de prédios de grande beleza e valor. É banhada pelo rio Vizela, que atravessa a região de nascente a poente, com um percurso de 40 quilómetros desde a nascente até à confluência com o rio Ave. Serpenteando por entre campos verdejantes, nas suas margens, o rio Vizela, possui aquela vegetação luxuriante bem característica da região minhota.

CULTURA

As termas e as indústrias de têxteis, vestuário e calçado são as principais actividades laborais do concelho de Vizela que, além disso, construiu a primeira fábrica de papel extraído de pasta de madeira, pioneira no género em toda a Europa. Infelizmente, o grande feito foi destruído pelas tropas francesas, na segunda invasão napoleónica.

HISTÓRIA DE VIZELA

Outrora exploradas pelos romanos, que nelas construíram os seus primeiros banhos, e, mais tarde, pelos celtas, godos e árabes, suevos e visigodos, as Termas de Vizela, desde o final do século XIX, dinamizaram a actual sede de concelho Vila de Vizela.

Durante mais de 100 anos, as águas termais de Vizela foram procuradas por milhares de aquistas, que nelas obtiveram a cura para os seus males. Um apogeu que lhes conferiu o título de Rainha das Termas de Portugal. Segue-se, depois, um período de declínio que se acentuou com a preferência da juventude pelas praias. Mas os tempos mudam e hoje Vizela, elevada a vila, em 1929, e a cidade, em 1998, é uma das razões pela qual o termalismo uma vez mais a atrair muitas pessoas.

A NÃO PERDER EM VIZELA

Desfrute de um passeio a pé por entre espécies de vegetação de rara beleza e as várias nascentes de água sulfurosa que envolvem o parque termal. Aprecie o lago de grandes dimensões e faça um piquenique no parque de merendas. Se gosta de fazer desporto, existe a possibilidade de praticar jogging e ténis.

Vale a pena fotografar a Bica Quente, situada na Praça da República, no centro da cidade, onde nascem as águas sulfurosas que brotam do seu pequenino fontanário; e, na freguesia de S. João, a ponte romana, um monumento nacional que fez parte da via militar romana Amarante-Braga.

Na área da cidade, visite a Igreja Matriz de São Miguel, reconstruída no século XVIII, e o Jardim Manuel Faria onde pode ainda admirar a “Vizela Romana”, uma alegoria que simboliza a origem romana das Termas de Vizela, pintada pelo pintor vizelense José Pereira da Costa, reproduzida em estátua pelo escultor portuense João Barata Feyo.

Suba à Capela de São Bento das Pêras, situada no cimo do monte do mesmo nome, a uma altitude de 410 metros. A partir do seu miradouro obtêm-se vistas magníficas sobre o vale de Vizela.

Admire o Paço de Gominhães, na freguesia de São João. No seu brasão, este monumento de interesse público apresenta uma pedra de armas a entroncar o ramo dos Azevedos, família do célebre cavaleiro “magriço”, cantado por Camões em Os Lusíadas. Os antepassados desta interessante moradia de raiz medieval notabilizaram-se na História Pátria.

FORA DE MÃO

Guimarães, apenas a três quilómetros de distância, convida a conhecer a arte e a história do berço onde nasceu o País. O castelo, as igrejas e museus, os solares e as pitorescas ruas da primeira capital de Portugal estão à sua espera.

GASTRONOMIA E RESTAURANTES – FACA E GARFO

Delicie-se com o bacalhau e o polvo grelhado, a vitela e o cabrito no forno, o cozido à portuguesa, e, claro com o pão-de-ló coberto, mais conhecido como bolinhol ou bolinhó. Acompanhe todos estes deliciosos manjares com um refrescante e efervescente e palpitante vinho branco.

COMO CHEGAR A VIZELA

De Lisboa: segue pela A-1 até ao Porto, onde apanha A-3 rumo a Guimarães. A saída para Vizela é pela estrada de Santo Tirso, devendo fazer-se atenção ao desvio, três a quatro quilómetros antes de se chegar à vila, à passagem por Nespereira.

Do Porto: entre na A-3 e segue as mesmas indicações acima referidas.

TOME NOTA

CLIMA: Temperado, com poucas oscilações térmicas.

SABIA QUE…?

O bolinhol, um pão-de-ló coberto, é a mais famosa especialidade gastronómica de Vizela. Único em Portugal. Apresentando uma forma rectangular com uma suave cobertura de açúcar, a sua massa é levemente húmida, facto que lhe atribui um sabor único. Pensa-se que começou a ser confeccionado em 1880, visto que, em 1884, esteve presente na Exposição Industrial Concelhia de Guimarães.

Fotos de Vizela

Igreja Paroquial de São Miguel de Vizela – Caldas de Vizela
 
 
Margens do Rio Vizela